Atualizações

•Julho 18, 2011 • Deixe um Comentário

Olá, pessoal!

Gostei muito da experiência de utilizar o wordpress e achei que a aparência ficou muito legal, mas não dá tempo pra atualizar sempre. Quem quiser continuar me acompanhando pode seguir o endereço do link:

okinawaspiritual.blogspot.com

Até mais! AMOR E LUZ!!

Beatriz Nagahama.

O ciclo de Vida e Morte

•Julho 13, 2011 • Deixe um Comentário

Se pensarmos racionalmente, todo ser vivo obedece à uma regra básica da Natureza: a única certeza de quem está vivo é que uma hora irá morrer!

Na teoria (e na prática) esta constatação é indiscutível! Mas o ser humano comum tem muito de irracional, mesmo que seja verdade que o Homem é o único animal (considerado) racional…rs, rs…Afirmo isto pois já lidei com muitas situações ligadas à morte e são raríssimas as pessoas que aceitam o fato e isso independente da ligação que tem com o morto;  mesmo que as pessoas não lamentem a perda do morto, se sentem desconfortáveis pois nessas horas todos costumam imaginar como será quando for seu próprio enterro ou de alguém muito próximo  e isso causa muito medo e negação!

Por isso é que considero o OBON o acontecimento mais precioso no Calendário de eventos espirituais de Okinawa. É inevitável não relembrar da vida da pessoa pra quem vamos acender senkô e da falta que ela nos faz…assim entramos em contato com a energia da Morte, mesmo não estando numa situaçao de luto; o que é muito bom, pois num enterro tudo costuma ser dolorido e traumático, não nos deixando espaço pra reflexões. Já o Obon é cercado de energias de Amor e aconchego pois sabemos que vamos nos conectar com os entes queridos que já se foram através das orações que faremos no butsudan e também iremos encontrar várias pessoas queridas que deixamos de conviver na nossa rotina!

Pra quem vai participar do Obon de Okinawa, uma sugestão: vá acender ao senkô consciente de que você está vivo e por isso pode acender ao senkô e mais ainda: saber que você pode conversar, rir junto e abraçar todos os que encontrar neste evento! Celebrar a Vida através do Pós-Vida é uma oportunidade grandiosa de se sentir bem vivo e feliz!

Pra quem não vai participar deste evento: às vezes é bom dar uma desacelerada na rotina diária e refletir relembrando das pessoas queridas que passaram por sua vida e que já estão no outro plano, faça a reflexão com leveza sobre como a ausência é significativa em nossas vidas, mas que durante a presença dessas pessoas em nossas vidas tivemos o privilégio de conviver, ser amados por elas e amá-las, então procurar viver com a maior presença sua própria vida e também procurar estar presente na vida dos que lhe são caros, deixe aqueles que se foram ir adiante pois a VIDA É ETERNA e uma hora reencontraremos os que se foram, treine o desapego, pois senão você correrá o risco de perder a oportunidade de usufruir a companhia dos que ainda estão à sua volta! Viva a vida!!

AMOR E LUZ!!

Quem sou eu?

•Julho 13, 2011 • Deixe um Comentário

Novamente volto à este tema: Quem sou eu?

 O motivo que me fez parar pra refletir desta vez  é o Obon. Explico.

Nasci no Brasil,um país ocidental, mas tenho feição e sangue orientais. Cresci num ambiente de costumes ancestrais mas dentro da cultura brasileira…aqui me consideram japonesa e lá me consideram ‘gaijin’ (estrangeira), por dentro também me sinto assim: uma mistura oriente-ocidente…como dizem por aí: tudo junto e misturado! Mestiça não na raça, mas na Alma! Não é à toa que nasci e adoro viver aqui no Brasil, país de mestiços, rs, rs…

Isso se aplica até ao meu trabalho pois me baseio no calendário lunar, mas não posso ignorar o calendário gregoriano em datas como o Obon e o Natal, por exemplo. Estamos em pleno mês lunar 6, que é excelente para realizações materiais, pois essa Lua vibra energias de vitalidade, as melhores para os vivos; mas por outro lado muitas famílias de descendentes de Okinawa (inclusive a minha) estão celebrando os Finados. Como sou extremamente sensível às energias em geral e em especial às energias dos antepassados, tenho que respeitar a maneira brasileira de se comemorar o Obon de Okinawa, então diminuo o meu ritmo de trabalho pois preciso me concentrar de outra forma em relação aos mortos, diferente como acontece no mês lunar 7, que traz a Lua com energias propícias para lidar com o Caminho dos Mortos!

Hoje dia 13 de julho, muitas famílias estão fazendo o UNKE, então só posso declarar:

MENSORÊ UYAFAFUDI!! (Bem-vindos antepassados!!)

Diferença entre Hotokessama e Uyafafudi

•Julho 13, 2011 • Deixe um Comentário
Muitas pessoas devem pensar que a palavra japonesa ‘hotokessama’ e a palavra do dialeto de Okinawa ‘uyafafudi’ sejam sinônimos e que signifiquem antepassados.

Realmente a palavra ‘uyafafudi’ significa antepassado, como se fosse ‘os pais dos meus pais’ , mas a palavra hotokessama tem outros significados: a pessoa que alcançou o satori (iluminação no Budismo), conceitos referentes ao budismo, a alma de um morto.

Finados(OBON)

•Julho 13, 2011 • Deixe um Comentário

Há muitas datas importantes no calendário de Okinawa, mas acho que a mais preciosa é a   celebração de Finados (Obon) pois nesse período as famílias cultuam e homenageiam seus ancestrais e com isso os laços entre os vivos e os mortos se estreitam mais uma vez, mesmo que momentâneamente.

Durante o período de 07 a 15 do sétimo mês do calendário lunar , época da Lua Cheia, as energias dos antepassados ficam mais próximas às dos vivos e com isso é mais fácil se estabelecer um contato de maneira amorosa e harmônica entre os dois mundos!

Aqui no Brasil muitas famílias imigrantes não tinham acesso ao Calendário Lunar e assim acabou se estabelecendo que o mês de julho corresponderia simbolicamente ao sétimo mês lunar, assim muitas famílias de descendentes comemoram o obon no período de 07 a 15 de julho, independente da Lua Cheia.

Sob o meu ponto de vista, considero muito válido, pois antes de tudo a celebração do Obon tem 2 razões principais:

1) ‘matar as saudades’ de nossos entes queridos que já se foram, cultuando-os e homenageando suas memórias através de nossas orações e sentimentos;

2) reunir a família e os amigos queridos, que muitas vezes com a correria do dia-a-dia deixamos de encontrar, mesmo quando moramos próximos.

No Brasil tem famílias que comemoram o obon desde o dia 07 (Tanabata) e terminam no dia 15 e tem algumas famílias que celebram o obon só no dia 15. Independente da maneira que for, quem for acender senkô em um butsudan deve se lembrar de levar um pacote (pode-se colocar desde produtos alimentícios à senkô) para oferecer aos antepassados em sinal de devoção.

A seguir vou descrever o cronograma de obon:

Dia 07/07 – Coincidente com a lenda chinesa do Tanabata, em Okinawa é um dia neutro em que se pode limpar o túmulo e iniciar a preparação para os festejos.  Nesta data, avisamos os antepassados que estamos nos preparando para recebe-los na próxima semana.

*Há a tradição específica que se pratica ainda hoje em Okinawa, mas vou escrever à respeito no período correspondente em agosto, na época da Lua Cheia do mês lunar 07. 

** É muito importante ressaltar que o oferecimento de refeiçoes e pacotes é simbólico. O que acontece espiritualmente é que as energias dos antepassados se mesclam aos sentimentos e energias dos vivos como se ao rezar acontecesse um “abraço” espiritual, pois há uma troca afetiva muito grande. Os antepassados não vão comer e nem beber nada e muito menos levar nenhum dos pacotes, o que acontece é que tudo o que é oferecdio no butsudan estará impregnado com as intenções de quem oferece e é isto que o espírito vai levar e em troca vai deixar suas bençãos para todos os que forem acender senkô.

Abaixo vai um resumo de como é celebrado este período no Brasil:

 Dia 13/07 UNKE – abertura do Finados

Há pessoas que começam oferecendo o café da manhã e fazem a reza de boas-vindas aos antepassados (Uyafafudi), depois continuam oferecendo o almoço e o jantar. Os alimentos oferecidos são os que normalmente a família consome no dia-a-dia.  Há outras famílias que começam o Finados à noite oferecendo o prato típico ‘djushí mé’.

Dia 14/07 NAKABI

Nesse dia e a casa fica aberta à visita de parentes (muito raro no Brasil), e continua-se colocando as três refeições principais do dia. Nesse período, a yutá não pode ir a nenhuma casa para resolver problemas relacionados ao butsudan.

15/07 UKUI – Encerramento

Coloca-se café da manhã e almoço normalmente, mas no jantar é oferecido um banquete de pratos típicos que simboliza o jantar de despedida dos antepassados, pois após terminá-lo os antepassados retornam ao plano espiritual, satisfeitos por verem os seus descendentes se confraternizando e prosperando neste mundo.

O que é totomé?

•Julho 12, 2011 • Deixe um Comentário
Totome é a palavra no dialeto de Okinawa que corresponde à palavra japonesa ‘ihai’. Sobre o que é ihai ou tabuletas do butsudan, pode-se ler mais à respeito no post: O que é IHAI ? de 28/03/2011.
TOTOME

A conexão entre nós e nossos antepassados

•Julho 7, 2011 • Deixe um Comentário
O tema “Antepassados” é bem extenso e complexo, portanto aqui vou procurar escrever o básico à esse respeito.

Um grande mito na comunidade de Okinawa do Brasil é que se não deixarmos tudo certo no butsudan, os antepassados irão nos castigar ou o Kamissama trará má sorte para a família toda. Esse mito é fruto da manipulação social (resistência em misturar-se com pessoas de outras origens) e de ignorância (a maioria dos primeiros imigrantes era muito jovens e não tinha  noção à esse respeito então prevaleceu a norma:”é assim porque é”).

Como yutá, tive a oportunidade de auxiliar várias famílias a harmonizarem as energias de seu butsudan e reequilibrar suas conexões com os seus antepassados. O que mais me chamou a atenção no contato com esses espíritos era a maneira como se estabelecem as conexões entre vivos e mortos: são elos profundamente emocionais! Cada caso é sempre um caso e não vou expor ninguém aqui através de exemplos; mas posso afirmar que entramos na vida espiritual pela mesma porta que saímos desta vivência, ou seja, se o coração estiver impregnado de mágoas é neste ambiente vibracional e em companhia de espíritos revoltados que iremos nos situar. Já se conseguirmos adquirir consciência espiritual de que cada um é responsável por aquilo que atrai, aceitarmos a própria vida, esse ato de aceitação nos levará também a aceitar a hora de nossa própria morte e assim conseguiremos transpor essa passagem em paz; o que nos direcionará para um caminho de paz, cercado de espíritos tranquilos.

O que podemos fazer pelo ente querido que  não tenha saído muito bem emocional e espiritualmente desta vida é rezar através do butsudan  utilizando as vibrações emocionais  (muitas vezes com ajuda de uma yutá) ajudando o espírito a encontrar a PAZ!

TANABATA

•Julho 7, 2011 • Deixe um Comentário
Durante anos houve uma polêmica aqui no Brasil sobre qual é a época de comemoração do TANABATA e do OBON de Okinawa. Isso aconteceu justamente porque pessoas que tem acesso ao Calendário luni-solar o seguem e os que não tem acesso, acabaram adaptando os meses lunares aos meses do calendário ocidental. Por exemplo: hoje é dia 07 de julho de 2011 e o Tanabata é comemorado no sétimo dia do sétimo mês lunar. No Calendário luni-solar hoje é dia 07 do mês 6, mas quem não tem acesso à essa informação, adapta julho como sendo o 7° mês lunar!

No meu ponto de vista, este gesto é válido, pois mesmo não conseguindo absorver todas as energias que o encontro da Lua com o Sol proporcionam, o que se consegue é expandir seu coração através dos sentimentos em relação à família e aos que já se foram! Quando for o TANABATA no Calendário luni-solar volto a comentar um pouco mais sobre o assunto; por enquanto deixo abaixo informações básicas à respeito.

 O significado do sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar

Assim como a Cultura Maia os costumes de Okinawa consideram a existência de uma relação entre a Lua e o Sol e observam a diferença de um dia entre estes dois calendários, que no Japão corresponde ao Tanabata.

A Lua gira em torno da Terra:

  • A cada ano 13 vezes em ciclos de 28 dias, completando um ciclo anual de 364 dias (dividido por 7 = 52 semanas)
  • A Terra gira em torno do Sol num ciclo que se completa em aproximadamente 365 dias
  • A diferença entre estes ciclos do Sol (365 dias) e da Lua (364 dias) corresponde a 1 dia “(neutro)”. Assim, o ano teria 52 semanas mais 1 dia neutro, o Tanabata, dia 07 do sétimo mês do calendário lunar.

 Datas oficiais pelo calendário lunar

A data original do Tanabata é baseada no calendário lunisolar japonês, que é um mês atrasado que o calendário gregoriano. Com isso, alguns festivais são realizados no dia 7 de Julho e outros nos dias próximos ao dia 7 de Agosto, enquanto outros continuam comemorando no sétimo dia do sétimo mês lunar do tradicional calendário lunisolar japonês, que normalmente é em Agosto no calendário gregoriano.
pt.wikipedia.org/wiki/Tanabata

A Alma Imoral

•Julho 6, 2011 • Deixe um Comentário

Há um olhar que sabe discernir o certo do errado e o errado do certo.

Há um olhar que enxerga quando a obediência significa desrespeito e a desobediência significa respeito.

Há um olhar que reconhece os curtos caminhos longos e os longos caminhos curtos.

Há um olhar que desnuda, que não hesita em afirmar que existem fielidades perversas e traições de grande lealdade.

Este olhar é o da Alma.

livro: A Alma Imoral  de Nilton Bonder

Quem me roubou de mim?

•Julho 6, 2011 • Deixe um Comentário
 
 ALGUÉM

Alguém me levou de mim

Alguém que eu não sei dizer

Alguém me levou daqui.

Alguém, esse nome estranho.

Alguém que eu não vi chegar

Alguém que eu não vi partir

Alguém, que se alguém encontrar,

Recomende que me devolva a mim.

trecho do livro: Quem me roubou de mim? de Pde Fábio de Melo